CCJ tem bate-boca com críticas da oposição sobre inscrição para falas

Oposição e presidente da Comissão bateram bocas por questões do regimento

Oposição e presidente da Comissão bateram bocas por questões do regimento
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Uma confusão tomou conta do plenário da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara nesta noite devido a uma discussão entre deputados de oposição e o presidente do colegiado Felipe Francischini (PSL-PR) por causa das inscrições de falas de parlamentares que querem discutir a proposta de reforma da Previdência.

Leia mais: Sessão da CCJ sobre reforma começa com obstrução da oposição

Francischini proibiu que deputados que não são membros da CCJ pudessem discursar sobre a matéria. Ele alegou que um acordo havia sido feito entre o governo e a oposição para que apenas 10 deputados que não fazem parte do colegiado pudessem falar a favor da matéria e outros 10, contra.

Integrantes da oposição reagiram e disseram que o alegado acordo não existia. O líder do governo na Casa, major Vitor Hugo (PSL-GO), também afirmou que não houve tal acordo.

Francischini então reiterou que houve o acordo e disse que não iria aceitar pressões. Em reação, deputados bateram com as mãos nas mesas dizendo em coro: “todo mundo vai falar”. Deputados chegaram e pedir para suspender a sessão e muitos deles se aglomeraram ao redor da mesa da Presidência.

O presidente da CCJ disse então que concederia a palavra a quem tivesse se inscrito e que levaria a discussão noite adentro, além das 22h, limite que havia sido estabelecido em um acordo prévio.

“Não adianta eu tentar acelerar e outros querendo atrasar e quem deveria ajudar, não ajuda. Eu vou ficar aqui até o final, não importa se ficarem poucos e se durar mais cinco, seis horas”, disse.

 

Please follow and like us:
error0