Equador chega a sexto dia de protestos com milhares nas ruas

Com milhares nas ruas de Quito e protestos em diversas cidades do interior, o Equador chega ao sexto dia de protestos massivos e greve geral contra o pacote econômico anunciado pelo presidente Lenín Moreno

Uma marcha reunindo milhares de indígenas e sindicalistas do interior do país chegou nesta terça-feira (8) à capital

VEJA TAMBÉM: Equador cancela aulas, produção de petróleo e muda sede do governo

Os manifestantes cercaram o prédio da Assembleia Nacional. Houve uma tentativa de burlar os bloqueios feitos pela polícia

As forças policiais responderam com bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo. Na segunda-feira, 477 pessoas foram presas. Ainda não há notícias de mais presos nesta terça-feira

O Palácio Presidencial, mesmo vazio depois que Lenín Moreno transferiu a sede do governo para Guayaquil por receio das manifestações, foi isolado pela polícia

O prefeito de Quito, Jorge Yunda, declarou estado de emergência na capital, Quito

Os protestos também seguem pelo interior. Foram registrados saques a lojas e fábricas em algumas cidades

VEJA TAMBÉM: Indígenas protestam no Equador e interditam rodovias até Quito

As maiores cidades, como Quito, estão sofrendo com o desabastecimento. Uma das primeiras categorias a cruzar os braços e fechar estradas foram os motoristas de caminhão, dificultando a circulação de produtos

O Equador está em estado de exceção desde quinta-feira (3). A Justiça equatoriana determinou que a medida seja válida por 30 dias. Em algumas cidades do interior, as prefeituras estão suspendendo todo tipo de atividade pública, inclusive sessões de cinema e teatro

Os equatorianos protestam contra um pacote econômico, fruto de acordo com o Fundo Monetário Internacional, que, entre várias medidas, cortou o subsídio a combustíveis, aumentando o preço do diesel. Também houve cortes de pessoal no funcionalismo público e redução de salários

Powered by WPeMatico

Please follow and like us:
error0