Força-tarefa de pesquisadores ajuda Brasil a enfrentar coronavírus – Guajara Hoje

Força-tarefa de pesquisadores ajuda Brasil a enfrentar coronavírus

Força-tarefa de pesquisadores ajuda Brasil a enfrentar coronavírus
Reuters

O novo coronavírus nem havia desembarcado no país, mas cientistas do Brasil já estavam de olho neste ser minúsculo, que parece ter virado o vilão número um do planeta nas últimas semanas. Agora, após São Paulo confirmar dois casos em nosso território, haverá um número ainda maior de microscópios e outros equipamentos focados no problema – 48 horas foram suficientes para equipes do Instituto Adolfo Lutz e da Universidade de São Paulo (USP), com a ajuda de ingleses, sequenciarem o genoma do vírus que infectou o brasileiro. E os ministérios da Ciência e da Saúde já montam uma rede de pesquisadores para decifrar a doença.

O trabalho simultâneo é fundamental para encontrar soluções mais rapidamente – estratégias de controle do surto, baseadas em dados do comportamento do vírus, testes de diagnóstico, tratamentos e até uma vacina. Assim, o Brasil já começa a ajudar na montagem do quebra-cabeças da epidemia – o que envolve gente do mundo todo.

Especialistas brasileiros e representantes dos dois ministérios compartilharão dados na Rede Vírus MCTIC, criada oficialmente na semana passada, que mira a doença vinda da China e a influenza (gripe comum) e outras viroses emergentes.

Leia mais: Já são 252 casos suspeitos de coronavírus no País e 2 confirmados

Os objetivos são integrar pesquisas e definir prioridades. Será feita uma teleconferência esta semana com cientistas de EUA, Canadá, Índia, Austrália e Reino Unido. Vão participar da rede a Academia Brasileira de Ciências, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Sociedade Brasileira de Virologia e universidades federais.

O sequenciamento em só dois dias do genoma do coronavírus exemplifica o potencial das parcerias. O trabalho de desvendar cepas (subtipos) desse vírus tem sido feito por vários países e levado, em média, 15 dias. A rapidez brasileira – do Adolfo Lutz da Faculdade de Medicina da USP e da Universidade de Oxford (Reino Unido) – foi possível porque já existe há um ano um projeto, o Cadde, criado para desenvolver novas técnicas – rápidas e baratas – para monitorar epidemias em tempo real. Foi um desdobramento da Rede Zika – criada em outro surto, que fez subir os casos de microcefalia no País em 2016.

Originalmente, o Cadde se concentrou em arboviroses, como dengue e zika. Da febre amarela, que voltou com força em 2018, já foram sequenciadas quase mil amostras. “Trabalhamos agora na análise desses dados. Mas não queríamos trazer dados só depois da epidemia. A ideia é poder entendê-la enquanto acontece para dar respostas. Com esse coronavírus, teremos a primeira chance de fazer isso”, diz Ester Sabino, do Instituto de Medicina Tropical da USP.

Em outro estudo recente, a Fiocruz, com as universidades de Milão (Itália) e da Flórida (EUA), investigou as dinâmicas e vestígios do início e dispersão do novo surto. Com ferramentas de bioinformática, a análise de 29 sequências genéticas reforça que a origem foi mesmo em Wuhan, na China, mas indica que o ponto de partida pode ser novembro – e não dezembro, como se imaginava.

Já o infectologista Esper Kallas, da Faculdade de Medicina da USP, lidera a comissão de crise do Hospital das Clínicas, que há um mês planeja como enfrentar o novo vírus. O esforço se divide em três frentes: criar protocolos de atendimento a pacientes, estudar a disseminação do vírus em ambiente hospitalar e contato com laboratórios estrangeiros para usar remédios já empregados para outros fins que possam ter novo uso.

Fora do país, já se testam medicamentos de aids e ebola para o novo coronavírus. “Talvez o remédio de tratamento esteja na farmácia. Mas não basta testar isso aleatoriamente. É preciso estudo criterioso”, diz Kallas. O projeto tem o apoio de universidades americanas, como as de Miami e da Califórnia.

Embora o vírus que causa a Covid-19 seja novo, coronavírus humanos são comuns no Brasil. De sete tipos mapeados, é o quinto a surgir aqui. As duas variações mais perigosas, que saltaram de animais para humanos, não chegaram: a da síndrome respiratória aguda grave (Sars), que matou mais de 800 pessoas em 2002 e 2003 e a da do Oriente Médio (Mers), com 858 óbitos desde 2014.

Especialista no tema, Paulo Eduardo Brandão, da Faculdade de Veterinária da USP, diz que o alto número de variedades não significa que o Brasil seja “propício” para a disseminação do vírus. “O que importa não é o clima, mas a presença ou não de hospedeiros suscetíveis.” Entre as hipóteses para a origem do novo vírus, estão morcegos e serpentes.

Estrutura

Entre os desafios, porém, está a restrição de verba que atinge a ciência brasileira atualmente. Jerson Lima, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio (Faperj), lembra que o Brasil não tem laboratório nível 4 de biossegurança para pesquisa com vírus que requerem essa classificação. Para o novo coronavírus, a OMS (Organização Mundial da Saúde) pede estrutura nível 3 para experimentos com animais, o que é preciso para pesquisar vacinas. Há laboratórios desse nível, como na Fiocruz e na Universidade Federal do Rio (UFRJ). “A vantagem de trabalhar em rede é que diferentes laboratórios podem dividir as tarefas”, afirma Lima.

Sobre a Rede Vírus, o Ministério da Ciência disse que a demanda de verba ainda será avaliada segundo as prioridades.

Bancos de dados online são aliados contra doença

Reuniões entre cientistas, compartilhamento de informações em bancos de dados online e agilidade na publicação de pesquisas são estratégias que têm sido usadas no mundo todo para que a comunidade científica consiga dar respostas à altura do desafio imposto pelo surto atual.

As primeiras análises, anunciadas em 9 de janeiro pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e autoridades chinesas, apontavam que casos de pneumonia registrados na China desde dezembro eram causados por um novo coronavírus. Após dois dias, a base americana GenBank, banco de dados de sequência genéticas, publicou a primeira sequência genômica do coronavírus. No dia 22 um artigo na Journal of Medical Virology trouxe análises do genoma.

Segundo a revista Nature, mais de 50 pesquisas foram publicadas só em janeiro. Pesquisadores brasileiros dizem que agora o número já passa de 80.

O trabalho cooperativo é estimulado pela OMS, que, há duas semanas, organizou uma reunião em Genebra entre cientistas de diferentes áreas do conhecimento e vários países. O objetivo era principalmente, identificar o que já se sabe e o que ainda falta conhecer sobre a epidemia. Estiveram presentes mais de 300 cientistas – alguns participaram de forma remota.

“Devemos colocar nossa melhor ciência a serviço de respostas compartilhadas para problemas comuns”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, à época. Paralelamente, uma rede global a Glopid-R, reúne órgãos financiadores que investem em pesquisas sobre doenças infecciosas. A rede também apoia o compartilhamento de dados sobre o coronavírus.

Os Estados Unidos abriram semana passada uma linha de financiamento de urgência, de R$ 2,6 milhões, para pesquisas sobre o novo coronavírus. 

Powered by WPeMatico

Please follow and like us: