Bolívia: Militares nas ruas e marchas pró-Evo mantêm tensão em alta – Guajara Hoje

Bolívia: Militares nas ruas e marchas pró-Evo mantêm tensão em alta

A renúncia e o exílio de Evo Morales no México não foram suficientes para pacificar a Bolívia, que segue registrando confrontos nas ruas entre apoiadores do ex-presidente e as forças policiais e militares, que estão ostensivamente presentes nas grandes cidades nesta terça-feira (12)

Um coronel da Polícia Boliviana morreu em um acidente provocado pelo bloqueio de estradas entre a cidade de El Alto, reduto pró-Evo, e a capital, La Paz. Oficialmente, ele é a quarta vítima fatal dos confrontos desde a eleição de 20 de outubro

Apesar da ostensiva presença da polícia e das Forças Armadas, milhares de pessoas marcharam em La Paz e também em Cochambaba (foto). Em vários pontos, as forças policiais tentaram dispersar os manifestantes com bombas e gás lacrimogêneo

A maior parte dos participantes das marchas pró-Evo registradas nesta terça (12) são de origem indígena, como na manifestação que chegou no fim da tarde ao centro de La Paz. Eles acusam a oposição de dar um golpe de Estado 

Os manifestantes também rechaçam as manifestações de cunho racista, que culminaram com a queima ou retirada da Whipala, bandeira que representa os indígenas bolivianos, de prédios e praças

Durante a madrugada e ao longo do dia, aviões da Força Aérea voaram em baixa altitude sobre La Paz, assustando a população

As Forças Armadas anunciaram na tarde da segunda-feira (11) um plano de ação para ‘pacificar as ruas’. Durante a noite, tropas foram enviadas para as principais cidades conflagradas, como El Alto, La Paz e Cochabamba

Os militares, que atuaram ativamente para retirar Evo Morales da presidência, atuam em coordenação com a Polícia Nacional Boliviana, cujo comandante renunciou ao cargo na segunda (11) após motins de policiais. 

Um dos objetivos da ação conjunta era garantir a realização da sessão da Assembleia Nacional que deveria resolver a sucessão de Evo Morales. Os sucessores constitucionais — o vice-presidente, Alvaro Linera, e os presidentes da Câmara e do Senado — também renunciaram

A revolta popular contra o que consideram um golpe de Estado resultou em ataques a delegacias de polícia em La Paz (foto) e El Alto

Em Cochabamba, também foram registrados saques e depredações de unidades da polícia

Até o momento, 169 pessoas foram detidas por participarem de protestos ou acusadas de ataques a prédios públicos e privados

Powered by WPeMatico

Please follow and like us: